quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

O tempo...

Embora se elaborem bonitos calendários e diversas formas de contagem, o tempo resume-se a uma imensa continuidade.

Por vezes apetecia-me dizer: - Ei! espera ai... Outras: - Bora, anda.

Mas nada acontece em resposta aos meus apelos.

Sei que quero sair desta sensação estúpida, triste e negra que ao longo deste tempo de 2009 me foi corroendo.

Quero ter a sensação de ar rarefeito, rever beleza em algum olhar e principalmente calma, e se para isso tiver que virar uma pagina do calendário, que seja.

Nos actos... acabar o mestrado...e aprender outras disciplinas, umas porque não posso passar sem elas e outras porque me procuram discretas e até parecem chamar por mim.

Para todos os meus queridos amigos desejo que o tempo vos traga tudo de bom.

Até 2010

Não sei porquê

Depois de um ano tão difícil, a-c-r-e-d-i-t-o
que 2 0 1 0 vai ser maravilhoso.

Porque s i m m m m.
Porque quero.
E porque tem que ser.
E não quero saber se pareço mimada.
Não vou pensar mais nisso e não estou sozinha.
http://v-miopia.blogspot.com/

2 0 1 0 - quero - te

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Tetro

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Natal

Assim que entravamos nas férias grandes, íamos com os meus avós para a casa do Coimbrão, passado algum tempo o Sr. Figueirinha (taxista) levava-nos para a praia do Pedrógão.
A carga era muita, sacas de batatas, feijão verde tenrinho, couves... atrás ia a minha avó, as minhas três primas e eu.
Temos muitas historias desses tempos.
A menina/rapaz a quem estou tão cumplicemente abraçada é a minha prima mais nova. Na altura ou estávamos muito bem ou estávamos muito mal....
Mas vivemos verdadeiras aventuras. Desde a espionagem à Tia Maria, as muitas brincadeiras na praia e as festas Belle Époque, passando pela criação de animais e as idas à feira.... As bancas de caricas e garrafas de larangina C, mais os bolinhos de areia, muito bem apresentados, dentro da nossa barraca às riscas azul e branca ( ou seria verde e branco?) faziam as delicias das outras crianças que brincavam connosco.
Não tenho a foto de grupo... mas tínhamos muitos amigos, que víamos todos os anos naquela período de veraneio.
Por vezes também apresentávamos espectáculos de variedades aos nossos vizinhos de praia. Ora promovíamos um festival da canção, ou fazíamos um teatrinho. Este espaço por vezes também se transformava num verdadeiro salão de jogatina, o jogo predilecto dos crescidos era o king.
Quando os meus pais apareciam para me irem buscar, o meu pai, adorava fazer apresentações de ginástica. Era um homem muito atlético e belo. Lembro-me de sentir alguns respirares femininos mais inflamados quando ele aparecia e se exibia, mas era um pai com muita imaginação para brincar connosco.
Tenho muitas saudades de mar do Pedrógão, ainda hoje o consigo ouvir, e sentir o sabor salgado da neblina.
Quando tínhamos que regressar das férias cantávamos uma canção que uma das minhas primas inventou.
“Adeus praia do Pedrógão a apanhar pedrinhas do chão....”


Tremor

Os cães continuam a ladrar desenfreadamente... será que já parou?

Há um misto de prazer e de enjoo neste fenómeno.

O espaço que pensamos inerte ganha vida.

Como se nesse momento se pertencesse totalmente ao movimento de todos os corpos.

Agora calaram-se.

Tremor

A terra acabou de se sacudir.

Olhei para a mesa onde me encontro e tremia, eu acompanhei a sua dança e ao fundo do palco os cortinados abanaram sem ventos bravios.

Senti medo, um medo infantil como aquele que tinha em 1979, nesse dia levei um estalo, hoje gritei pelo meu filho.

Algo está para ruir....


Olho pela câmara porque os olhos não querem ver.

1979

sábado, 12 de dezembro de 2009

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Se ao menos...




PARAGEM para trás

PARAGEM

....sinto-me assim....................................................

.........................................................

....sinto-me assim sem o ter escrito....................

....nunca o conseguiria escrever......................

....tão sólido e poeticamente brutal.


http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2009/12/acerca-do-estoicismo.html

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Lançamento Revista INÚTIL

A Maria, o João e a Ana vão lançar a mais novinha revista de Poesia. Parabéns e Boa Sorte!!!

terça-feira, 13 de outubro de 2009

DELEUZE......................

" A imagem-tempo deve a sua força excepcional à densidade conceptual. É também de sublinhar que a noção desmultiplica um pensamento paradoxal do tempo (não-linear, intempestivo e dividido). A imagem tempo vai além da questão do movimento e, ao libertar-se do esquema sensorial motor, vai atingir-se como imagem (táctil) puramente óptica e sonora. Esta emancipação dos sentidos concorre para uma relação directa com o tempo e com o pensamento. Deleuze discorre bastante acerca da memória, sobretudo no sentido do ponto de vista da memória em Henri Bergson, porque constitui uma parte importante do conceito central desta segunda obra: a imagem-cristal (ou imagem-tempo)."
Rafael Godinho

URRRRRRRGENNNNNTE

Urgente: Procuro casa para filmagens (não posso pagar aluguer)

Breve descrição:

Lembrem-se das casas dos nossos avós.... Mobílias escuras, pesadas. Janelas altas, cortinados pendentes, meio gastos.
Uma casa já sem vida.... como se não fosse habitada por alguém à muito tempo... uma casa onde os objectos ficaram perdidos no tempo....
O ideal era ser tipo pombalina, térrea, e com quintal. Um ideal ainda maior, era estar quase vazia ...
Já agora na zona de Lisboa....
As filmagens são feitas com equipamentos muito reduzidos e uma equipa muito pequena, a duração das filmagens 1 a 2 dias.

Gostava que tivesse :
um quarto com cama de espaldar alto, individual, supostamente seria o quarto de uma criança...
uma sala com um candeeiro pendente, se tivesse papel de parede florido, já gasto ou meio comido pelo bolor, era maravilhoso,
um corredor grande onde ao fundo encontramos uma janela ou uma porta para o quintal
e um quintal, onde desse para estender um lençol, um quintal ao abandono.

Não é fácil....tentem espalhar pelos vossos amigos, pode ser que alguém ainda conserve uma casa de família.

Preciso de uma casa próxima desta para acabar o filme de fim de mestrado :(

MUITO Obrigada!!!!
Beijinhos

sara rocio




segunda-feira, 21 de setembro de 2009

O ZeroFilme#1 vai a Roma / ZeroFilme#1 goes to Rome

Aqui fica mais uma apresentação do ZeroFilme#1.
Desta vez na cidade de Roma em Itália, para passar na integra durante o festival FishEye.
Não sei se vou poder estar presente no festival, com muita pena minha, ficando a apresentação do ZeroFilme#1, a cargo do Alexandro Amaducci, que gentilmente vai lá estar.

Here’s one more ZeroFilme#1 presentation.
This time in Rome, Italy, to be fully screened during the FishEye Festival.
Unfortunately, I don’t know if I can be present at the Festival, so the presentation will be delegated to Alexandro Amaducci, that kindly will be present.

O ZeroFilme#1 vai a Roma (programa)/ ZeroFilme#1 goes to Rome (program)




ERRATA ( ZeroFilme#1) :

Por engano não coloquei no DVD e na revista, o nome correcto do realizador do filme HairyTale.

Por este motivo peço desculpas ao Realizador do filme, Emil Carlsson, por ter acontecido este incidente.

Muito obrigada pela compreensão.

Apesar deste lapso espero poder contar convosco em próximas iniciativas.


By mistake, I changed the director’s name of the film “HairyTale”, that comes in the DVD and also mentioned in the magazine.

I apologize the real director Emil Carlsson for this incident.

Thank you for your understanding.

Despite this lapse I hope I can count on you in the next initiatives.


quinta-feira, 27 de agosto de 2009

O ZeroFilme vai a Roma














INTERNATIONAL EXPERIMENTAL FILM AND VIDEO FESTIVAL

15-19 OTTOBRE 2009
ROMA
NUOVO CINEMA AQUILA


Aggiungere logo festival
Aggiungere logo Rarovideo


FishEye è un festival internazionale incentrato su tutte le forme dell’audiovisione e, in particolare, sui linguaggi della sperimentazione e della non-fiction che attualmente rappresentano il terreno più interessante per l’applicazione della nuove tecnologie.

FishEye (titolo che prende spunto da un particolare obiettivo che produce deformazioni grandangolari) è uno degli eventi collaterali del Festival Internazionale del Film di Roma che si svolgerà dal 15 al 23 ottobre.

Ideato e diretto da Bruno Di Marino, studioso dell’immagine in movimento ed esperto in particolare di sperimentazione audiovisiva, FishEye è prodotto dal Nuovo Cinema Aquila, sala cinematografica situata nel quartiere Pigneto di Roma, uno dei punti di riferimento per eventi culturali di grande qualità. Fish-Eye è realizzato in collaborazione con l’assesorato alle politiche culturali del Comune di Roma e con RaroVideo.

Quest’anno si celebra il Centenario del primo manifesto futurista e, dunque, FishEye vuole idealmente collegarsi, nel suo nascere, a questo movimento che ha rivoluzionato l’approccio all’arte in tutte le sue forme, in una logica sinestetica oggi più che mai di una sconvolgente attualità.
L’idea stessa di movimento, velocità e simultaneità, alla base di tante teorie e opere dei futuristi, la loro attenzione per il cinema, come forma “antipassatista” d’arte - che avrebbe dovuto affrancarsi dalla letteratura e dal teatro, per avvicinarsi alla pittura e alla musica - ha posto le basi per la produzione di film sperimentali che, dalla metà degli anni ’10 fino ai giorni nostri, ha mutato profondamente il sistema percettivo, tecnologico, culturale ed estetico.

FishEye non vuole essere un festival per pochi appassionati. La sua ambizione è quella di far conoscere ad un pubblico sempre più vasto le esperienze audiovisive maggiormente innovative nel campo della videoarte, del videoclip musicale, dell’animazione, del web, delle installazioni (anche quelle interattive) ecc., attraverso la proiezione di opere ma soprattutto mediante l’incontro con autori di livello internazionale, cui saranno resi omaggi anno per anno. Vi saranno diverse anteprime nazionali e anche internazionali.

In Italia esistono varie manifestazioni dedicate a singole forme audiovisive sperimentali soprattutto a corto metraggio: dalla videoarte all’animazione, dalla web art al videoclip musicale; tuttavia non c’è una manifestazione che esplori in modo sistematico questi diversi “generi” dell’immagine in movimento, trattandoli in modo strettamente correlato, come tasselli di un’unica storia che affonda le radici nell’era pre-cinematografica e giunge fino al digitale.

Concettualmente le nozioni di “cinema” e “video” oggi appaiono desuete e bisogna più semplicemente cominciare a parlare di “immagine in movimento”. Allo stesso tempo la narrazione non è più un macrogenere, ma un’opzione tra le tante che si mescola in opere che contemplano un approccio ora più creativo ora più documentaristico.


Le sezioni del festival

Travelling
Raccoglie il meglio della sperimentazione audiovisiva internazionale del biennio 2008-2009. I film e i video saranno di durata non superiore ai 30 minuti. La sezione è competitiva e una giuria di esperti assegnerà il premio RaroVideo al miglior film o video.

Long Travelling
Presenta alcuni medio e lungometraggi che mescolano sperimentazione, documentario e anche narrazione.

Collection
Antologie e/o progetti collettivi curati da artisti e critici internazionali. In questa edizione il Fronte di Resistenza Analogica e il progetto Blind curato da Terry Flaxton.

Mono
Una serie di omaggi ad autori italiani e stranieri attraverso una retrospettiva delle loro opere più significative. I registi presenteranno le loro opere e dialogheranno con il pubblico.

Special Guest
Il tributo a una grande personalità del cinema che si muove tra la fiction e la sperimentazione.

Fish Eye Talk
Un musicista italiano commenterà i suoi videoclip preferiti, sia quelli realizzati per le sue canzoni, sia i music video di altri autori a cui è particolarmente legato.

Focus
Un piccolo approfondimento dedicato a un paese, quest’anno si tratta dell’Islanda. Ospite la performer e videoartista Ásdís Sif Gunnarsdottir.

Focus sull’ambiente
In sinergia con il Festival Internazionale del Film di Roma, anche Fish Eye ha deciso di dedicare una sezione alle tematiche ambientali, naturalmente mostrando opere decisamente sperimentali.

Omaggio alla PIXAR
In occasione dell’uscita del film Up di produzione PIXAR, che verrà programmato da venerdì 16 ottobre e per tutta la durata del festival nella sala grande del Nuovo Cinema Aquila in alcuni orari, Fish-Eye intende rendere omaggio alla casa di produzione americana e al suo fondatore John Lasseter, tra i primi a sperimentare con l’immagine computerizzata in 3-D.

Exposed
Prospettiva Mobile. 5 videoinstallazioni di arte animata
Collegate al festival saranno organizzate alcune mostre. La prima, che si inaugura il 3 ottobre in occasione della della 5a Giornata del Contemporaneo e sarà allestita per circa un mese presso l’Istituto Nazionale per la Grafica a Roma, prevede le installazioni video di cinque artisti-animatorii, ai quali Fish-Eye dedicherà brevi monografiche alla presenza degli autori. In occasione della mostra è prevista la pubblicazione di un catalogo con dvd allegato. Gli autori sono:
Leonardo Carrano
E.G.O.
Ursula Ferrara
Basmati
Virgilio Villoresi,


Extra: gli approfondimenti critici

Per quanto riguarda gli approfondimenti critici (incontri con gli autori, tavole rotonde) sarà avviata una collaborazione con una delle tre università romane, che prevede il coinvolgimento di docenti e studenti. Il collegamento non deve avvenire necessariamente con facoltà e cattedre di cinema e spettacolo, ma anche con cattedre e dipartimenti di arti visive e architettura.
La filosofia di FishEye - è quasi scontato dirlo - è quella di essere oltre che un festival sull’immagine in movimento, una manifestazione assolutamente interdisciplinare, dove invitare a riflettere sul futuro della rappresentazione audiovisiva oltre che cineasti anche filosofi, sociologi, linguisti e studiosi di comunicazione.


staff


direttore artistico
Bruno Di Marino

consulenti
Salviano Miceli
Federico Rossin
Ilary Valbonesi

direttore organizzativo
Edoardo Dell’Acqua

responsabile tecnico
Alberto Gresele

supervisore al programma
movimento copie
Domenico Vitucci

coordinatore e rapporti con le istituzionali
Fabio Meloni

rapporti con le associazioni culturali
Guido Morandini

responsabile della comunicazione
Serena Ardimento

Per informazioni:
b.dima@libero.it
info@cinemaaquila.com


Voltei da descida ao PARAISO...










sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Lançamento na Velha-a-branca






ZeroFilme projectou-se no último vão de escada do edifício onde está instalada a associação cultural a Velha-a-branca. O espaço é muito bonito, o público foi pouco...
Obrigada João!

























A residencial aqui fotografada é a não voltar. Porqu
ê? Porque têm sinos gigantes debaixo da almofada e sinetas de alarme de entrada atrás da porta....

Rádio Rum

De passagem por Braga, onde se realizou mais um lançamento da revista Big Ode e do projecto ZeroFilme, concretizou-se uma entrevista à rádio Rum da Universidade do Minho.
Fica aqui o link e um especial agradecimento ao José Reis que é um excelente conversador.

http://www.rum.pt/index.php?option=com_conteudo&task=full_item&except=&catid=194&item=16967

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Vídeo de Apresentação para a Big Ode#7

Realizei este filminho para o lançamento da revista Big Ode #7
Os poemas aqui representados podem ser lidos na integra neste número da revista.




Créditos


Lançamento na Livraria Trama















































"Temos sublime de tipo A e sublime de tipo B. Qual deseja?(...) "

de Henrique Bento Fialho



( um OBRIGADA muito especial para a Catarina e para o Ricardo, pela forma formidável como nos recebem sempre )

Fotos gentilmente cedidas por um amigo do Alberto Guerreiro

domingo, 12 de julho de 2009

Lançamentos / Launches

Lançamentos:
Lisboa, 18 Julho 2009 – Livraria Trama – 22h

http://atrama.blogspot.com/
Braga, 25 Julho 2009 – Estaleiro Cultural Velha-a-Branca – 22h

http://www.velha-a-branca.net/contactos.htm

Launches:

Lisbon, 18th July
2009 – Livraria Trama – 22h http://atrama.blogspot.com/
Braga, 25th July 2009 – Estaleiro Cultural Velha-a-Branca – 22h

http://www.velha-a-branca.net/contactos.htm



















sexta-feira, 10 de julho de 2009

[Selecção / selection] ZeroFilme #1



















Alberto Guerreiro (PT)
Alexandro Amaducci (IT)
Angelo Ricciardi (IT)
Anna Olmo (IT)
Antonia Valero (ES)
Bryant Dameron (US)
Daniel Dugas (CA)
David Anthony Sant (AU)
Gustaf Almlöf (SE)
Helena Garcia (PT)
J. Durbeck (DE)
Jaanika Peerna (EE)
Joao Pereira de Matos (PT)
John Criscitello (US)
JP Gagne (US)
Judith Darmont (FR)
Luis Fernandes (PT)
Malin Ståhl (SE)
Markus A. Ljungberg (SE)
Mikey Peterson (US)
Mohamed Ezoubeiri (MA)
Patrich Gofre (NL)
Rodrigo Miragaia (PT)
Sara Rocio (PT)
Steven Hoskins (US)
Sofia Törnblad (SE)
Steve Sanguedolce (CA)



Por vários motivos alguns filmes não podem entrar nesta primeira edição do ZeroFilme.
A todos os que participaram muito obrigada.
Espero contar convosco em próximas iniciativas.
Tudo de bom.


For many reasons some of the films can´t enter in this first edition
of ZeroFilme.
To all those who participated I thank you.
I hope I can count on you in the next inicitives.
Best regards

quarta-feira, 1 de abril de 2009

PROJECTO [ZERO-FILME] + BIG ODE


















A Revista Big Ode http://big-ode.blogspot.com/ já implantada no panorama cultural português desde 2006, fez-me uma proposta de colaborar na próxima edição, com uma mostra de vídeos reunidos num DVD, que acompanhará a revista e os seus lançamentos. Até agora tenho colaborado com a revista como designer de conceito e também participo na organização dos eventos de lançamento.

Chamo-me Sara Rocio e estou no último ano de mestrado em cinema na Universidade Lusófona. Criei a Zero-filme para que exista mais um espaço alternativo de encontro e partilha da linguagem cinematográfica.

Zero-filme é um projecto embrionário que pretende promover a partilha de ideias e experiencias artísticas, em suporte vídeo.
Esta iniciativa tem como objectivo, reunir pessoas que encontraram na linguagem do cinema ou do vídeo, uma forma de se expressarem artisticamente, e divulgar os seus trabalhos.
No início de qualquer projecto nada se pode saber sobre o seu desenvolvimento, por isso fica em aberto iniciativas e propostas futuras.

Conceito da Zero-filme:
Para onde segue a linguagem do cinema?
Um cinema sem fronteiras, sem linguagem definida, argumento, ou estética global. Uma junção de ideias, conceitos, sensações, poéticas, questões filosófico/estéticas, contadas com imagens, discutidas através de imagens, sons e movimento.
O que somos, o que pensamos, o que fazemos, como sentimos, como observamos, como reproduzimos, como nos envolvemos, como comunicamos.... nós, os outros e tudo o que está envolvido. Exterior, interior.... espaço, tempo, movimento.

Objectivos:
O que pretendo no final, é que estes vídeos reunidos, entrem na programação dos cineteatros em Portugal, de forma a que não se restrinjam a uma divulgação elitista e urbana.
Em Portugal a rede de cineteatros cobre todo o país, situando-se desde as grandes cidades até ás pequenas aldeias.

  • Os trabalhos enviados devem ser de vídeo-arte/vídeo-poesia, e devem explorar de forma experimental a linguagem do vídeo

  • A participação será sempre feita de forma totalmente gratuita e será sujeita a uma selecção

  • Todos os participantes vão receber uma cópia do DVD final e o #7 da revista BIG ODE

  • O tema a que se deve responder – SUBLIME

  • Os trabalhos devem ser enviados preferencialmente em formato QuickTime e não exceder os 10 minutos de duração

  • Podem ser enviados por e-mail por exemplo pelo yousendit.
Endereço de e-mail : zerofilme@gmail.com

  • Ou então, através do envio pelo correio, de um DVD e ou CD (por favor manter o filme em formato editável, de forma a poder compilar todos num único DVD)
Sara Rocio
Rua Miguel Pais nº136, 3ºfte – 2830- 356 Barreiro - Portugal

  • Enviar sinopse do trabalho e breve biografia com fotos para o mail
zerofilme@gmail.com

  • Deadline: 31 Maio de 2009


The Big Ode Magazine (http://big-ode.blogspot.com/) established in the Portuguese cultural scene since 2006, has offered me a proposal to collaborate in the next issue with video works, gathered in a DVD, that will come together with the magazine and will be presented in its events.
In the past issues, I’ve been collaborating with the magazine as concept designer and also in the organization of the presentation events.

I’m Sara Rocio and I’m in the last year of the master degree in the Universidade Lusófona. I created Zero-filme to offer one more alternative space of meeting and sharing of film language.

Zero-filme is a germinal project that aims to promote ideas and artistic tendencies/experiences in video.
This initiative also seeks to join people that found in the language of cinema, or video, a way of expressing themselves artistically.
At the beginning of any project nobody knows about its development, so this is an open road to initiatives and future proposals.

Concept of Zero-filme:
To where can we take the language of cinema?
A cinema without frontiers, without a defined language, script, or global aesthetics. A combination of ideas, concepts, sensations, poetics, philosophic questions, told with images, discussed through images.
What we are, what we think, what we do, how we feel, how we observe, how we reproduce, how we get involved, how we communicate… us, the others and all that comes around. Exterior, interior… space, time, movement.

Goals:
At the end, with a showcase, I intend to integrate the videos in the Portuguese cine-theatre program, in a way that they won’t become restricted to an elitist and urban disclosure. In Portugal the cine-theatre network covers all the country, going from the big cities to the little villages.


All works must have the form of video art/ video poetry, and should explore, in an experimental way, the language of video.

The submissions will always be done in a totally free way and will be submitted to a selection.

All the participants will receive a copy of the final DVD and one of the Big Ode magazine.



The theme - SUBLIME

The video works must be sent preferably in the QuickTime format, and not exceed 10 min. of duration;

Send it by e-mail to: zerofilme@gmail.com (you can use a server like yousendit)


Or send a CD or DVD by snail mail to:

Sara Rocio
Rua Miguel Pais nº136, 3ºfte – 2830- 356 Barreiro - Portugal
(please, keep the film in an editable format, so we can compile it)

Send also a synopsis and a simple biography with photos.


Deadline: 31st of May, 2009


domingo, 1 de fevereiro de 2009

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Asas-Abertas-Num-Mundo-De-Fadas

No âmbito da minha colaboração para a revista de Poesia e Imagem BIG ODE edição #6, realizei este pequeno filme que pretende reflectir sobre o silêncio.